Colunas

Cancelamento do Carnaval por Jorge Seba é atitude frouxa e de quem joga para a galera



O prefeito de Votuporanga, Jorge Seba (PSDB), jogou para torcida e não pensou além das pressões de redes sociais advindas de certos grupos e cancelou o Oba Festival.

Houve um tempo que políticos tomavam decisões sem levar em conta pressões populares. Esse tempo já foi e a pandemia deixou claro que temos uma geração de mandatários frouxos.

Quando dezenas morriam semanalmente e os hospitais estavam lotados, esses mesmos prefeitos, Seba incluso, anunciavam medidas rígidas de isolamento social para depois, com a gritaria de setores, como o comércio e as igrejas, abrirem tudo de novo – naquele jeitinho que vimos.

Poucos foram aqueles que tiveram peito e agiram na base da convicção e da ciência.

Agora temos o surto da variante Ômicron, abundante em casos, mas com poucas internações e menos mortes ainda. Faltando praticamente 50 dias para o Carnaval, Seba vai lá e cancela o Oba.

Lógico que todos devem ficar vigilantes com a nova cepa e o aumento de casos, mas nada justifica o cancelamento de um evento daqui 50 dias e nenhuma medida de verdade ser tomada agora.

Seba, na pressão das redes sociais, onde existe um grupelho reacionário contra qualquer manifestação popular, cancelou o Carnaval numa atitude que demonstra bem a fraqueza dessa geração de políticos – ainda que ele venha duma safra mais antiga.

Se daqui até o Carnaval o quadro piorasse, óbvio que a festa deveria ser cancelada, mas agora, não existe nenhum indicativo, inclusive cientifico, que justifique tal ato.

Seba jogou para a torcida, foi fraco e a cidade vai pagar com dezenas de milhares de reais não entrando no comércio local.


Humores e Rumores

Os bastidores, repercussões e especulações da política local você lê aqui

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.