Direito

Preso por tráfico de armas é solto com alvará falso no Rio de Janeiro



Apontado pela Polícia Federal (PF) como um dos maiores traficantes de armas do mundo deixou a cadeia no Rio de Janeiro pela porta da frente - e por meio de uma fraude. João Filipe Barbieri, 31 anos, enteado de Frederick Barbieri - considerado o "Senhor das Armas" e que está preso nos Estados Unidos -, fez uso de um alvará de soltura falso para deixar a penitenciária de Bangu, onde estava preso desde 2017, condenado a 27 anos de prisão por associação para o tráfico e tráfico internacional de armas. João Felipe foi preso, na época, em um condomínio de luxo de Rio Preto em operação coordenada pela PF.

João Filipe é acusado pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ) de ser um dos gerentes da quadrilha internacional de tráfico de armas que era liderada por Frederick, que vendeu pelo menos 1.043 fuzis e 297 mil munições com carregadores no período de dois anos, entre 2014 e 2017. As armas eram compradas nos Estados Unidos por cerca de 3,5 mil dólares, trazidas para o Brasil ocultas em aquecedores de piscina e vendidas por até R$ 57 mil. Cada carregamento, em grande parte para abstecer facções cariocas como o Comando Vermelho, rendia à quadrilha cerca de R$ 1,2 milhão.

O MPF/RJ denunciou, naquela ocasião, João Filipe e outras 15 pessoas envolvidas em tráfico internacional de armas. Ao longo de três anos, os acusados importaram 75 vezes armamentos em desacordo com as exigências legais.

Conforme informou primeiro o portal G1-RJ nesta terça-feira, 9, a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) confirmou a saída de João Barbieri da prisão em 18 de novembro de 2020, mas não mostrou a decisão judicial que possibilitou que ele deixasse a cadeia apenas três anos depois de começar a cumprir a pena.

A denúncia da saída de Barbieri chegou ao desembargador Marcelo Granado, relator do caso na Justiça Federal. No mês passado, ele pediu explicações à Seap sobre a situação penal de João Filipe Barbieri e outro preso - João Victor Rosa.

Na semana passada, a Seap respondeu à Justiça confirmando a saída dos dois. Segundo um ofício da Justiça, João Barbieri teve prisão revogada no dia 18 de novembro e João Victor Rosa recebeu um alvará de soltura no dia 14 de outubro. João Filipe teria sido liberado por uma decisão interlocutória, ou seja, "de boca".

Na segunda-feira, 8, a Seap enviou um novo ofício à Justiça federal reafirmando que João Filipe Barbieri e João Rosa estão libertados. A secretaria incluiu os números dos alvarás de soltura, mas não anexou os documentos. A secretaria afirmou apenas que os alvarás foram concedidos pela 8ª Vara Federal Criminal.

Na tarde desta terça, 9, a Justiça Federal confirmou que não deu nenhuma decisão para soltar Barbieri e que o alvará de soltura é falso. O desembargador Marcelo Granado, relator do caso na Justiça federal, afirmou que irá cobrar explicações do Ministério Público e da Seap.

O desembargador federal ordenou o cumprimento imediato das prisões de João Filipe Cordeiro Barbieri e João Victor Silva Roza.

'Senhor das Armas'

O padrasto de João Filipe, Frederik Barbieri, apontado como o maior traficante de armas para o Brasil, foi preso pelo Serviço de Imigração e Alfândegas na madrugada do dia 24 de fevereiro de 2018, na Flórida, Estados Unidos, onde ele havia se radicado.

Conforme a Procuradoria da República, nas declarações de importações constavam aquecedores e bombas d'água, mas na verdade chegavam ao Brasil carcaças dos produtos declarados "recheadas" de armas de fogo, acessórios e munições de uso restrito.

Frederik Barbieri seria responsável pelo envio de 60 fuzis, avaliados em R$ 4,2 milhões, que foram apreendidos no aeroporto do Galeão, no Rio, em 1º de junho de 2017, naquela que é considerada a maior apreensão no País, pelo menos desde 2007.

A carga estava escondida em um contêiner, dentro de aquecedores de piscina com fundo falso - cada aquecedor guardava cerca de oito fuzis. Ao todo havia três modelos dessas armas: 45 eram AK-47; 14, AR-10; e um, G-3. O fuzil AK-47 é o preferido pelos criminosos porque não exige manutenção e é mais resistente. Já o AR-10 é mais moderno e equipa agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Em junho de 2018, 45 armas do modelo AK-47 e 15 do modelo AR-10, ambas com calibre 7,62 milímetros, apreendidos em encomenda de Frederik, foram doados pelo Gabinete de Intervenção Federal à Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Em julho de 2018, Frederik Barbieri, de 51 anos, foi condenado pela Justiça americana a 12 anos e oito meses de prisão por tráfico internacional de armas. A decisão foi de um Tribunal Federal de Miami, no estado americano da Flórida.

 

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.


Mais sobre Direito